domingo, 30 de outubro de 2011

Tâmaras


As tâmaras, devido ao alto conteúdo de hidratos de carbono simples e complexos (72%) constituem um alimento muito energético (274 Kcal por 100 gramas de tâmara seca). São ideais para aqueles que precisam de muita energia, como crianças e esportistas.
Falando em esportes, as tâmaras são ricas em potássio (790 mg por 100 g de tâmara seca), cobre (0,24 mg), magnésio (65 mg) y cálcio (59 mg).
Além disso, pelo seu conteúdo em açucares complexos, são metabolizadas pelo organismo de forma demorada. Isto é uma qualidade interessante quando temos que manter um ritmo intenso de esforço físico ou mental por um período longo de tempo (esportes de resistência ou provas de longa duração).
As tâmaras são também ricas em ácido pantoténico o vitamina B5, conhecida pelos seus efeitos tranqüilizantes. Assim, têm quem chame as tâmaras de “doses naturais de anti-estressante” pela capacidade que tem de relaxar e proporcionar uma sensação de bem-estar. Também pode ser interessante comer algumas tâmaras antes de dormir por conter triptófano que estimula a formação de melatonina, que pode contribuir a conciliar o sono e evitar a insônia.
Para quem quizer uma análise mais detalhada das propriedades nutricionais da tâmara, recomendo visitar a página da Nutrition Data(em inglés).

O teor de umidade e os teores de açucares solúveis dos frutos, quando atingem o estádio final de amadurecimento (Tamar), permitem classificar as tâmaras em três categorias: tâmaras moles, tâmaras semi–secas e tâmaras secas.
O teor de água dos frutos da tamareira pode variar de acordo com o grau de maturação, porém depende também da característica varietal: as tâmaras moles, em estádio tamar, apresentam teor de umidade geralmente superior a 30%; as tâmaras semi-secas entre 20 e 30% e as tâmaras secas menos de 20%.
Independente da variedade, quando a tâmara atinge o final do amadurecimento, mais de ¾ de sua composição é constituída pelos açucares solúveis. Já foi constatado que as tâmaras moles, contém muito pouco ou nenhum açúcar não redutor (sacarose); as tâmaras semi-secas, possuem em torno de 1/4 de açucares não redutores e ¾ de açucares redutores (frutose e glicose); e as tâmaras secas, apresentam aproximadamente 1/3 de açucares não redutores e 2/3 de açúcares redutores. Fonte: Embrapa


Os países asiáticos e africanos, principalmente Egito, República Islâmica de Iran, Arábia Saudita, Paquistão, Iraque e os países vizinhos, juntos produzem aproximadamente 98% das tâmaras do mundo. Estados Unidos, Espanha e México produzem o restante. Fonte: FAO

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Alimentação Viva Ann Wigmore Brasil


Encontrei a seguinte matéria nesse site: http://bemzen.uol.com.br/noticias/ver/2011/01/10/2122-alimentacao-viva

Confira!!!

Valorizar a vitalidade dos alimentos é a principal proposta da prática da Alimentação Viva.
A precursora de todo esse movimento ecologico é a Dra Ann Wigmore, que escreveu vários livros sobre o assunto na década de 80 e ficou conhecida ao popularizar o 'Estilo de vida da Alimentação Viva'. A partir dela, várias "escolas" foram criadas, constituindo-se um movimento chamado de Raw Food e Living Food.
Segundo a dra Ann, as sementes quando germinadas produzem grande quantidades de enzimas digestivas que facilitam o processo digestivo de todos os alimentos, além de potencializarem a energia vital em seu interior. Também os Sucos e os Alimentos Fermentados são fontes de enzimas digestivas e carregados de energia vital. Seu trabalho foi  especialmente dirigido para a cura.
Ter uma visão ampliada daquilo que nos mantém é super importante para a prática, por isso atividades físicas e de respiração, também estão envolvidas no processo. Há também experimentação na produção de alimentos aumentando o contato com o ambiente natural (horta) e as vivências em grupo favorecendo trocas de “alimento” humano e afetiv, para que se crie um ambiente favorável a saúde ainda que na zona urbana.


Vitalidade
 A VITALIDADE é a expressão da “Energia Vital” que está contida em todos os seres. Presente em tudo que nos cerca, procuramos viver o “modo de energia vital” no cotidiano  de nossas escolhas sejam do estilo de vida seja do alimento  que optamos. Através de palestras, conversas na mesa e trocas de informações, vamos criando a consciência desse modo de olhar a vida e com isso nos fortalecermos.
Na mesa, o alimento com maior vitalidade é o vegetal no início de seu crescimento e, por isso, as sementes germinadas e brotos constituem as bases da Culinária Viva.

Classificação dos alimentos segundo a vitalidade
Classificados por Edmond Székeli (médico e divulgador da Higiene Natural e do estilo de vida dos essênios), os alimentos podem ser agrupados segundo a energia vital como:
Biogênicos (que favorecem a geração da vida): sementes germinadas e brotos.
Bioativos (ativam a vida, por ainda manterem a vitalidade): frutas, legumes, verduras frescas e cruas.
Bioestáticos (mantém a vida): alimentos cozidos, congelados e refinados.
Biocídicos (consomem a vida): alimentos com produtos químicos ou radiações, conservantes e aromatizantes.

Proposta culinária de Ann Wigmore

O programa culinário proposto por Ann Wigmore se baseia num conjunto de alimentos que facilitem a digestão, sem processamento pelo fogo e pelo resfriamento, mantendo a energia vital. Inclui vegetais frescos, maduros, orgânicos (quando possível),sementes germinadas e brotadas, desidratados e fermentados. Analisado e aprovado pela FDA (Food and drugs administration), a dieta ultrapassa em mais de 200% das necessidades nutricionais humanas determinadas pela organização.


Alimentação Viva no Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, os trabalhos sobre Alimentação Viva foram sendo adaptados inicialmente pela professora Ana Branco – Dep. de artes e design da PUC - Rio, que tem o mérito de associar a arte com a saúde, através do laboratório de pesquisas do Biochip . Ampliado posteriormente pelo grupo Terrapia, construiu-se uma parceria para fortalecer o caminho da Promoção da Saúde. Diferente de Ann Wigmore, o conhecimento foi aplicado a um experimento prático de promoção da saúde numa unidade de atenção básica. Aqui a cura deixou de ser o objetivo central e o estimulo a mudanças de hábitos passou a ser o foco. Inclui a observação do ser humano como parte da rede viva e o cuidado com o corpo, a nossa maior contribuição ambiental. Lembramos que a desmedicalização por si só é um resultado que contribui para a preservação do solo e das águas. O resultado desses trabalhos está marcado pela ampla divulgação realizada em diferentes grupos populacionais na cidade.
 No Brasil, devido à diferença climática, cultural e social, além de contarmos com uma imensa variedade de alimentos, foi exigido de nós a readaptação dos trabalhos de Ann Wigmore, gerando com isso uma culinária viva brasileira. Assim podemos hoje afirmar que no Rio de Janeiro nós temos um jeito bem próprio de criar receitas vivas!


Proposta do Terrapia
Na prática consideramos o ato de comer como uma forma de cuidar do corpo e também um ato social. Isso difere dos hábitos culturais, que são primeiramente atos sociais, orientados pelo prazer, isto é, condicionamentos influenciados pelo ambiente em torno, pela forma como foram introduzidos, carregados de afetos, situações econômicas, facilidade de acesso etc. Por isso, a Alimentação Viva tem sido chamada também de “Alimentação Consciente”.

Saiba mais em: www.ensp.fiocruz.br/terrapia

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Que tal uma Carne de Castanha da Amazônia ?

Castanha da Amazônia também conhecida como castanha do Brasil e do Pará.  Creio que o nome Castanha da Amazônia é o mais adequado pois a mesma vem da floresta Amazônica que faz parte de diversos estados brasileiros e inclusive de outros países.


As oleaginosas são ricas em selênio, oligoelemento relacionado com o sistema imunológico e com as funções do sistema nervoso central. No caso da castanha-do-brasil, apenas uma unidade é capaz de fornecer a necessidade diária de selênio. Suas gorduras, monoinsaturadas, ajudam a prevenir doenças cardiovasculares. Uma delas, chamada betasistosterol, dificulta a absorção do colesterol pelo organismo. Segundo o nutrólogo Edson Credidio, alguns estudos mostram que as oleaginosas ajudam a prevenir câncer, esclerose múltipla e mal de Alzheimer.


Além de tudo isso a castanha é deliciosa e tem possibilidades infinitas de preparos na Alimentação Viva é uma ótima alternativa para abandonar a carne, leites e derivados de animais. Pois o mesmos não são saudáveis e contribuem muito com o desmatamento e o assassinato de milhares de seres inocentes.



"O desmatamento provocado pelas grandes fazendas é uma das principais causas da perda de espécies animais e vegetais únicas nas florestas tropicais das Américas do Sul e Central, assim como da emissão de carbono na atmosfera", afirmou Henning Steinfeld, chefe da Subdireção de Informação de Criação de Gado da FAO.
Para o especialista, é necessário encontrar com urgência alternativas ao pasto extensivo na América Latina a fim de evitar o enorme impacto causado por essa transformação das florestas tropicais.

Aqui apresento uma divina receita de Carne Vegetal Confira!



1 Xícara de Cast. da Amazônia
1 Beterraba
1 Pimentão Vermelho
1 Pimenta de Cheiro
1 Pimenta  Dedo de Moça
1 Cebola roxa
1 Pedaço de Alho Poró
Limão e sal se desejar...

Modo de fazer: Basta processar todos os ingredientes em um multiprocessador e depois e só moldar usando a criatividade da forma que preferir. Faça miniburguers, almondegas, hamburgers ou o que + sua imaginação possibilitar.

Salve a Rainha da Floresta

Consuma o que é sustentável.







segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Dica de livro... 12 Passos para o Crudivorismo

Esse é um livro que eu particularmente adoro! É um dos meus preferidos se tiverem oportunidade devorem.
A autora é fantástica e nos mostra uma linda lição com sua família.


Confiram uma breve introdução:
Por que comemos mais que o necessário? Por que fazemos péssimas escolhas alimentares mesmo quando desejamos ser saudáveis? Essas questões são abordadas de forma simples e direta nestes 12 passos para o crudivorismo. Maior divulgadora do green smoothie, a vitamina verde que está mudando a vida de muita gente, Victoria Boutenko expõe nesta obra inspiradora os benefícios da dieta vegetariana crua e desvenda as razões que nos levam a comer compulsivamente mal. O livro oferece técnicas para criar e manter hábitos alimentares mais saudáveis, ajudando o leitor a fazer com a maior tranquilidade possível a transição dos alimentos cozidos para a dieta crua. Uma mudança desse porte, porém, tem grande impacto em todos os aspectos da existência, e Victoria Boutenko ressalta a importância de, nesse processo, dar e receber apoio e viver em harmonia com aqueles que não compartilham nossos pontos de vista. 12 passos para o crudivorismo destina-se, assim, a todos os interessados em conquistar uma vida melhor através da alimentação.

sábado, 15 de outubro de 2011

FEIJÃO AZUKI (Phaeseolus angularis)

Você pensa que quem é vivo não come feijão?


Pois digo sim, comemos!


"Nozes" brasileiros vivos, adoramos uma boa feijoada, confira a receita abaixo de um delicioso feijão tropeiro. essa foi a primeira receita viva que fiz em casa, copiei do site do Terrapia a muito tempo atrás a mesma continua lá, mas a que coloco abaixo tem um toque diferente... 



Feijão Tropeiro (4 Pessoas)
2 Cups Fejão Azuki (G)
1 Cup de Farinha de Mandioca Crua
1 Pimentão Amarelo
4 Tomates
1/2 Maço de Salsa
1 Pimenta Dedo de Moça
1 Maço Couve
Suco de 1  Limão
Sal e Azeite
Modo de fazer:
Selecione os feijões que não germinaram e descarte, pique pimentão, tomates, salsa pimenta e reserve.
Corte a couve bem fininha e macere com azeite e sal, reserve.
Adicione a uma panela de barro os ingredientes picados exceto a salsa. Comece a amornar e vá adicionando os demais ingredientes nesta ordem feijão, couve, farinha e a salsa, desligue o fogo e coloque o suco do limão e o azeite.
Está Pronto!


OBS: (Os Unicos Feijões que se tem conhecimento para comer germinados são o Azuki e o Moyashi os demais são tóxicos e podem causar sérios problemas digestivos).




FEIJÃO AZUKI (Phaeseolus angularis)
HISTÓRIA: Há milhares de anos (9.000), o feijão AZUKI vem sendo cultivado no Japão, Coréia, Manchúria e China. É conhecido no Japão como uma delicatesse, eles produzem brotos ou farinhas finas. Plantas de baixa produtividade no cultivo, por isso é comercializado mais caro. O Azuki é um feijão pequeno e vermelho com o hilo branco alongado que foi introduzido no Brasil pelos imigrantes no início do século XX. Nosso hábito brasileiro de consumir feijão, encontra nesta semente uma forma de continuar com as receitas tão apreciadas, atendendo nosso paladar afetivo e cultural!

CURIOSIDADES: Na Grécia, o feijão Azuki participou das festas mensais do FEIJÃO e no Egito antigo se pensava que, após a morte, a alma  humana se transformava em feijão.Por esta razão os sacerdotes não podiam comê-los. Os feijões eram dedicados aos mortos inclusive durante o funeral, quando os enterravam junto com as sementes.



COMPRAS: Aprendemos recentemente que existem duas espécies sendo comercializadas: o feijão longo e fino e outro mais arredondado. A dica para diferenciar do feijão vermelho é o “olho” (hilo) branco! Em caso de dúvidas procure comprar as sementes embaladas com rótulo escrito feijão azuki.


GERMINAÇÃO: Germinam no AR e como uma mágica modificam completamente sua forma depois que ingerem água! As sementes que não absorvem água permanecem na forma original, duras e precisam ser separadas para não machucar nossos dentes.

DICAS DE PREPARO: Além das receitas salgadas,assim como os japoneses, utilizamos também para a preparação de doces com frutas.



Fonte: Terrapia http://www4.ensp.fiocruz.br/terrapia/?q=feijaoazukigerminado


OBS: Esse é o unico feijão a ser consumido germinado, uma outra opção é o broto do Feijão Moyachi. Os outros não são indicados na alimentação viva.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

A Ciência da Alimentação Viva



Uma dieta de alimentos crus não é apenas boa para você , é também uma  boa ciência! Você não tem que levar a nossa palavra ao pé da letra e ter "fé" ou confiar no mais recente guru da nutrição.
A ciência agora mostra que cozinhar não só destrói a nutrição e as enzimas, mas muda quimicamente os alimentos a partir de substâncias necessárias para a saúde em ácido formadores de toxinas, radicais livres e os venenos que destroem a nossa saúde!

Neste site você vai descobrir o que acontece quando você come, alimentos integrais ao invés de cozidos, alimentos processados ​​completo com inúmeras referências, você pode conferir por si mesmo.
Não dê a responsabilidade pela sua saúde para a indústria, governo médica ou indústria de alimentos.
Nem sequer tenha a minha palavra para isso! Descubra os fatos por si mesmo - comece por aqui hoje!


Leia mais no site:http://www.rawfoodlife.com/#ixzz1ahqcTep0

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

F E L I Z Dia das C R I A N Ç A S

Crianças seres divinos, sementes do novo mundo almas puras e cristalinas. Merecem um verdadeiro doce...

Em homenagem a todos esses ser divinos posto hoje como fazer 1 delicioso Doce de Leite Vivo.

Qualquer criaça pode fazer com a ajuda de seu papai ou mamãe...

Doce de Leite Vivo


13 tamaras sem caroço se há possibilidade hidrate as antes de usar!
1 Mamão formosa
1 Abacate

Coloque as frutas frescas sem as sementes no liqui  e bata junto com as tamaras sem a água.


Decore com 1 tamara e folhinhas de hortelã e pronto! Divirta-se!!!



terça-feira, 11 de outubro de 2011

Tonight Abacate

Hoje a noite jantei uma deliciosa Guacamole, Um prato muito facil de fazer. Utilizei dois abacates médios amassados, 5 tomates italianos cortados em cubos, 1 talo de aipo(salsão) bem picado, 1 colher chá de cominho desidratado em pó, uma cebola roxa picada. Basta misturar tudo e está pronto! Assim já fica muito bom, se desejar pode adicionar um pouquinho de suco de limão e sal.
Como acompanhamento optei por lindos e  saborosos brotos de girassol. Ficou Incrível!

                                 


OBS: É raro eu utilizar cebola, mas hoje realmente senti vontade e se meu corpo pede eu só posso dar. Evito fazer o uso da cebola porque é um alimento muito forte e marcante, prefiro usar com parcimonia.
Os Hare Krishnas, Ananda Margs, Ayurvédicos,Alguns Monges e outros grupos se abstem dela por ser de um  grupo alimentos chamados tamásicos que agitam a mente, dificultam a meditação e outras coisa... Pesquise e sinta!

domingo, 9 de outubro de 2011

Viciados em energia rápida, onde quer que possa obtela.


Isso significa que o açúcar com lotes dele ... em tudo, desde refrigerantes a café. E falando de café, com todo o açúcar que entra em todos os alimentos processados e esses sistemas são tão ineficientes que você ainda não pode obter energia suficiente, então  precisa adicionar cafeina a tudo o que pode e apenas para se manter e nunca chega a glicose e energia suficiente neste estilo de vida,  baseado em ácido anaeróbico pobre em oxigênio, matando energia, baseado na sobrevivência.

Isso significa que as pessoas ficam doentes mais cedo e morrem mais cedo.

E não é só o que você come - o ar que você respira, a água que você bebe, a energia eletromagnética ao seu redor, a radiação ionizante todos estamos expostos e tudo são formas acidas! Nós não podemos controlar a maior parte disso,  mas você pode controlar o que você põe em sua boca. O que você pode fazer sobre o impacto desses tóxicos e ambiente ácido formado sobre nossas vidas, é consumir mais formas alcalinas, alimentos ricos em oxigênio e bebidas naturais. Na verdade, pode ser a única coisa que você pode fazer e isso terá um impacto dramático sobre a qualidade de sua vida e sua saúde.

 Dr. Robert O. Young

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

O que a Ana Branco já dizia...


A professora Ana Branco criadora do Projeto Biochip da Puc-RJ a anos vem dizendo que existe um "chip" dentro dos vegetais crus e das sementes germinadas, e esse "chip" segundo a professora contém silício dentro de molécula de água, é o que nos traz a memoria e a sabedoria ancestral contida nos alimentos, por isso a importância de comermos os alimentos locais de nossa região em natura sem cozimento pois quando cozinhamos perdemos isso, experimente cozinhar um chip de computador e veja o que acontece quando for utiliza-lo, a memoria e todas informações se perdem... Nos alimentos a mesma coisa e além disso são desencadeados uma série de outros fatores inconvenientes ao nosso organismo. Confira a matéria a baixo.

Luciano Vivo

Sem preconceitos, sem lição de moral, sem papo de gente viciada em academia. Você é sim o que você come, mas é uma questão de genética. Pesquisadores da Universidade de Nanjing, China, descobriram que nós incorporamos no nosso organismo as informações genéticas dosalimentos que ingerimos.
Os testes liderados por Chen-Yu Zhang mostraram que pequenas tiras de RNA de vegetais entram na nossa corrente sanguínea assim que nós os engolimos – e ainda por cima podeminfluenciar em algumas atitudes dos nossos genes.
Quer um exemplo mais concreto? Existe um tipo de RNA chamado MIR168a, produzido pelo arroz, que foi encontrado em abundância no sangue da população chinesa. E pesquisas anteriores feitas com ratos já haviam concluído que o MIR168a inibe a habilidade do fígado de filtrar o LDL, o chamado “colesterol ruim”.
Essa descoberta pode ajudar muito no desenvolvimento da medicina herbal, tão famosa na China.
Agora, enquanto alguns alimentos podem nos ajudar, outros querem estragar a nossa vida – e nem estamos falando de hambúrguer com batata frita. É o suco de laranja.
Pois é, um estudo recente australiano afirma que o suco da laranja contém tanto açúcar que faz mal: pode aumentar o risco de alguns tipos de câncer. Eles examinaram a dieta de 2.200 adultos, que foram acompanhados durante dois anos. Os pesquisadores então procuraram traços de câncer de intestino neles.
Sem surpresa alguma eles viram que comer maçã, couve-flor e brócolis ajudava a reduzir bastante a probabilidade de desenvolver a doença.
Publicado pela Super Interessante em http://super.abril.com.br/blogs/superblog/geneticistas-comprovam-voce-e-o-que-voce-come/

Vegetarianos, Veganos, Crudivoros e Vivos não são superiores a ninguém!

Vegetarianos que se dizem superiores, estes estão equivocados talvez por verem tanta maldade praticada aos animais, ser vegetariano não é sinônimo de saúde, saúde depende de inúmeros fatores como mente saudável, ambiente saudável, meio de vida saudável coisas difíceis de serem encotradas em grandes centros alimentados por agricultura convencional regada a veneno.

É lógico que o vegetarianismo não vai salvar o mundo entretanto pode livrar alguns seres humanos de terem cadáveres em seus intestinos putrefando por dias a fio, e também pode salvar milhares animais, evitar que outros tantos sejam inseminados artificialmente pelos que brincam de D'eus e podem minimizar o impacto produzido por monoculturas de soja utilizadas para alimentar o gado, também poderiam ser salvos alguns milhões de litros de água utilizados convencionalmente na pecuária tradicional e na agricultura monocultural.Também é certo, que assassinar um bando de seres inofensivos com crueldade apenas por ignorância, prazer sensorial e tradição não contribui em nada com o Planeta Terra.

O que não é aceitável é que diante de tantas evidencias e provas empíricas pessoas sem necessidade alguma optem por comerem cadáveres que são transportados por milhares de kilometros utilizando o "néctar" que alimenta a babilônia chamado petróleo e ainda eletrecidade infinita geradas por hidrelétricas que alagam florestas e desabrigam índios e populações locais, ou também podem ser alimentadas por usinas nucleares que vez que outra explodem deformando, matando pessoas, dizimando inumeras espécies e transmitindo radiação sabe-se lá onde, e tudo isso simplismente para transportar e armazenar em vitrines parecidas com cenários de filme de terror.

O que precisamos é nos salvar ter consciência e respeito por outros seres sejam eles do reino que forem, um índio jamais mataria uma vaca de forma tão dolorosa e brutal, e o mesmo só mata, pois vive em um ambiente de sobrevivência e mesmo assim ritualiza seu ato, o que não é o caso da maioria dos seres humanos.

O respeito é o caminho, quando houver compaixão pelo sofrimento alheio as atrocidades deixarão de existir, já existem bons movimentos de permacultura, agroecologia, bioconstrução, reutilização, energia sustentável, trocas, vivências com alimentação sustentavel é nisso que eu creio, e sei que um dia fará a diferença.

--
Luciano Vivo